instagramcustom

Blog Archives:

Reflexões sobre o empreendedorismo feminino

Apesar de não existir diferença na capacidade que homens e mulheres têm para empreender, a presença masculina no mundo dos negócios ainda é bastante superior à feminina. E é sobre esse desequilíbrio que gostaria de refletir hoje aqui no blog.

Em uma pesquisa informal, realizada no Facebook, o pessoal do blog Coworking Brasil descobriu que uma das maiores dificuldades das mulheres é conseguir conciliar carreira com maternidade, casamento e vida particular.

Se atualmente todo mundo está em uma correria louca para dar conta de várias coisas ao mesmo tempo, para nós, mulheres, o peso da rotina é ainda maior. Se somos mães, então, é mais difícil ainda.

O fato é que o mundo ainda parece muito machista e conservador. Há décadas, conquistamos o direito de sair de casa para trabalhar. Alguns comportamentos, entretanto, ainda assustam – e muito!

Nossos salários, infelizmente, são menores do que o de homens nas mesmas posições. A maioria dos cargos de liderança e confiança são ocupados por homens. E quantas vezes já ouvimos comentários no ambiente corporativo nos subestimando por sermos mulheres?

Por outro lado, quando decidimos abandonar nossos empregos para tocarmos um negócio, acabamos empreendendo dentro de casa. Segundo pesquisa do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), a maior parte das mulheres empreendedoras estabelecem a casa como escritório por não conseguirem ficar longe de suas outras tarefas, como cuidar dos filhos e da casa. Afazeres esses que podem, inclusive, ser compartilhados com seus parceiros, e muitas vezes não são. Infelizmente.

Apesar de todas essas dificuldades, eu acredito que esse quadro pode ser mudado para melhor. Por exemplo, essa mesma pesquisa do Sebrae aponta que nos últimos 14 anos o número de mulheres empreendedoras cresceu 34%. 40% delas têm menos de 34 anos e estão concentradas principalmente em quatro áreas de atuação: restaurantes (16%), serviços domésticos (16%), cabeleireiros (13%) e comércio de cosméticos (9%).

Estamos cada vez mais à frente de projetos incríveis. Melhor: somos muito abertas a parcerias e trocas de experiência. É preciso ter muita garra e força de vontade para correr em busca dos nossos sonhos. Mas eu digo, que vale muito a pena!

Você é mulher e está nessa luta diária de empreendedorismo feminino? Vamos juntas nessa!

Dicas para você começar a empreender

Tenho falado bastante aqui no blog sobre empreendedorismo materno e as vantagens de comandar um negócio próprio. Dentre elas, a necessidade de ganhar um dinheiro extra e, sobretudo, ter mais flexibilidade para curtir e acompanhar o crescimento dos filhos.

Para você ter uma ideia, nos últimos 14 anos, a quantidade de empresárias cresceu 34%, segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Em 2014, o País tinha 7,9 milhões de empresárias.

Se você tem um talento especial, deseja transformá-lo em fonte de renda, mas não sabe muito bem por onde começar, ótimo: esse post é para você!

É preciso deixar claro que empreender é um negócio estratégico. Não basta apenas ter vontade, e começar de qualquer jeito. É preciso muito planejamento e uma dose generosa de dedicação. Por isso, compartilho algumas dicas minhas e outras de experts no assunto para quem é empreendedora de primeira viagem começar o negócio com o pé direito.

O que dizem os especialistas

Planejamento é tudo!
Pesquise o mercado que deseja atuar e estude o que todos os concorrentes estão fazendo. Depois, é hora de listar tudo aquilo que vai precisar investir, e claro quais serão seus objetivos. Para quem vai trabalhar com venda de produtos é ideal definir quanto vai precisar produzir e vender para alcançar a meta estipulada.

A organização financeira é essencial
Liste todos os gastos que vai ter com o seu negócio e tenha uma conta jurídica, separada da sua pessoal. Não confunda faturamento com lucro, hein? O faturamento é a soma de tudo o que ganhou com o seu trabalho. O lucro é esse valor menos o que você tirou para para arcar com os custos de produção.
E nada de gastar todo o seu lucro. É bom contar com um dinheiro em caixa para garantir o pagamento de todas as contas em dia, até em meses mais parados.

Formalize o seu negócio
Sim! É preciso abrir uma empresa para tocar algo próprio. Se a expectativa de lucro anual for baixa, você pode virar MEI. Caso contrário, é necessário abrir uma empresa. Mas nada que um bom contador ou advogado não resolva pra você. Abrir uma empresa é bem menos burocrático que você imagina, e ainda oferece diversas vantagens, sobretudo, juros mais baixos para investir.

A minha experiência como empreendedora

Empreender é mais que um hobby
Criar um negócio próprio exige dedicação, e muita (mas muita mesmo!) persistência. Uma empresa não vira de uma hora pra outra. Saiba que você vai ter que trabalhar muito para alcançar o sucesso esperado. Às vezes, até mais que um emprego com carteira assinada. Posso afirmar, entretanto que vale a pena! O prazer de fazer algo que gostamos é indescritível!

Aprenda sempre!
Faça cursos, converse com as pessoas, observe o mercado. As empreendedoras de maior sucesso que eu conheço são aquelas que estudam e estão sempre prontas a aprender com as experiências dos outros.

Divulgue-se
Faça cartões de visita, crie perfis nas redes sociais, monte um site, escreva um blog e mostre o quanto é expert naquilo com o que trabalha. Enfim, se mostre e deixe que o mundo te conheça!

Invista nos relacionamentos
Conheça pessoas, faça networking. Criar relacionamentos é essencial para construir parcerias, abrir novas portas, fortalecer o negócio, indicar fornecedores e clientes em potencial e até criar novos projetos incríveis. A jornada fica mais leve e prazerosa quando compartilhada com alguém. Eu, por exemplo, adoro conhecer e conversar com as pessoas, o que me ajuda muito. Você faz doces e salgadinhos para festas? Crie parceria com quem cuida da decoração e troque clientes entre si.

Como equilibrar trabalho e vida pessoal?

No último post sobre empreendedorismo materno aqui no blog Vida Pós Parto, eu falei sobre as motivações para tocarmos um negócio próprio. A flexibilidade de horário é certamente uma das principais razões. Afinal de contas, queremos aproveitar nossos filhos de pertinho o máximo que pudermos.

Junto com a autonomia, entretanto, também surge uma grande responsabilidade. Administrar uma empresa requer muita dedicação, e pode exigir até mais tempo que em nossos antigos empregos.

Sem contar que às vezes precisamos focar no trabalho, e estar perto da criança acaba virando um grande stress.

Quem é empreendedora de primeira viagem precisa encontrar o equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal, sem se dedicar excessivamente ou abdicar de um dos dois lados.

Estabeleça seu horário de trabalho

É bom anotar quanto tempo você trabalha, tanto por dia quanto por semana.

Tendo uma noção desse tempo, é hora de definir uma meta de quantas horas serão necessárias para alcançar seus objetivos profissionais.

Se um dia você precisar se estender um pouco mais, pode tirar o seguinte para descansar, ou realizar outras atividades importantes.

Definidos os horários de trabalho, vai ficar muito mais fácil encontrar tempo para ser mãe, dona de casa, esposa, relaxar e, sobretudo, cuidar de você mesma. .

Divida suas tarefas pelo nível de concentração e exigência

O dia fica muito mais produtivo quando estabelecemos o melhor horário do dia para cumprir cada uma de nossas atividades.

Precisar escrever? Utilize aquele tempo em que está sozinha em casa. Já para responder e-mails e comentários em redes sociais, você pode fazer enquanto ajuda seu filho na lição, por exemplo.

Aproveite as pequenas brechas ao longo do dia para adiantar tarefas corriqueiras, e que não exigem tanta concentração.

Os app são ótimos aliados

O Google Agenda, Drive e Fotos são aplicativos ótimos para organizarmos compromissos e arquivos. E mais: dá para acessá-los de qualquer lugar, a hora que quisermos. Além disso, podemos criar etiquetas com as prioridades de cada atividade, e ainda compartilhar com quem precisar. Melhor que isso, impossível! E, sim, deixando tudo marcado e agendado, a gente não corre o risco de esquecer algo.

Uma tarefa por vez

Sei que somos capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Inclusive, parece que depois que nos tornamos mães, desenvolvemos ainda mais essa habilidade.

Em alguns momentos, ser multitarefa vai ser super necessário. Só não vale deixar que isso se transforme em uma regra. O resultado pode ser um desgaste físico e emocional desnecessários.

Estabeleça uma agenda diária em que você execute uma tarefa por vez. Garanto que a qualidade do seu trabalho vai ser bem superior. E na vida pessoal, seu filho, marido, mãe e amigos vão ficar muito mais felizes por dedicar aquele tempo inteirinho a eles.

Quem define a execução das atividades é você

Vale lembrar que esses são apenas insights para você organizar melhor o seu tempo. O horário do dia e o jeito como vai realizar cada uma das tarefas ou compromissos é você quem estabelece. Empoderar também é isso: decidir qual o melhor jeito para trabalhar.

O que é empreendedorismo materno?

Nunca se falou tanto em empreendedorismo materno. Apesar de existir há muito tempo, se trata de um movimento recente no Brasil. Detalhe: que tem ganhado força graças às possibilidades oferecidas pela Internet.

Comecei a ter contato com o assunto há pouco mais de três anos quando criei o Vida Pós Parto, e decidi fazer dele o meu projeto de vida.

De lá pra cá, presenciei um aumento das iniciativas e conheci várias mamães empreendedoras, cheias de boas ideias e disposição para encarar um negócio próprio.

E melhor: projetos que ajudam e enriquecem a experiência pós maternidade.

Por que as mães querem se tornar empreendedoras?

Ter um filho impacta todas as esferas da nossa vida: amorosa, feminina, familiar e até mesmo a forma como encaramos o trabalho.

Precisamos de mais flexibilidade de horário e autonomia para definir nosso dia-a-dia. Muito mais que retorno financeiro, queremos trabalhar com aquilo que curtimos fazer e, sobretudo, ficar mais próximas dos nossos filhotes. O objetivo é acompanhar de pertinho o crescimento deles.

O mercado corporativo, infelizmente, é incompatível com esses nossos anseios. Diversas pesquisas mostram, inclusive, que o desejo de empreender surge ainda durante o período de licença maternidade.

Mas também tem a explicação biológica

Isso mesmo! Um estudo da Universidade de Londres mostrou que durante a gestação o nosso cérebro diminui, e volta ao tamanho normal em seis meses. Esse processo de contração faz com que ele se reorganize.

Assim, quando volta a crescer, o cérebro acaba aumentando a capacidade de memorização, concentração e aprendizagem.

Tornamo-nos, assim, muito mais dinâmicas, habilidosas, sensíveis e competentes. Essas mudanças acontecem para exercermos o papel de mãe, além de serem habilidades super valorizadas no mundo dos negócios, não é mesmo? Tudo a ver com empreendedorismo!

Ser mãe desenvolve o nosso instinto empreendedor

Sim! Toda mãe é uma empreendedora nata. A mulher que se tornou mãe começa a enxergar o mundo de uma forma diferente, procurando sempre melhorar o que está à sua volta.

É a fralda mais saudável, roupa mais confortável, brinquedo que valorize a infância, espaços mais seguros, tempo para cuidar de si mesmas. Esse novo olhar acaba gerando múltiplas possibilidades de negócios.

Algumas mães também transformam talentos esquecidos, ou hobbys, em atividade profissional. O Vida Pós Parto, por exemplo, nasceu assim: da ideia de compartilhar a minha experiência para ajudar outras mães a resgatar a autoestima pós maternidade.

Há casos de mães que reinventam suas profissões lançando produtos e serviços sob uma nova ótica que adquirem após a maternidade.

Os desafios do empreendedorismo materno

Para nós, mamães, empreender é muito mais que montar um negócio próprio. É adotar um estilo de vida que tem tudo a ver com a maternidade, já que o trabalho tradicional não se encaixa mais na nossa nova vida.

Os desafios de empreender pós maternidade, entretanto, são um pouco maiores do que quando não temos filhos. Precisamos lidar com planejamento, contas, marketing. Atividades que muitas de nós nunca tínhamos ouvido falar.

Além disso, temos que encontrar o equilíbrio entre o trabalho e exercer o papel de mãe. Criar uma rede de apoio é fundamental para o processo de desenvolvimento de um negócio paralelo com a maternidade, assim como buscar qualificação sempre.

O resultado não podia ser melhor: transformamo-nos em mulheres empoderadas.

Empreenda fazendo aquilo que você mais ama

Pode parecer utopia, mas empreender fazendo aquilo que a gente mais ama é possível sim. E mais: é o principal segredo para alcançar o sucesso profissional.

Eu sei o tanto que pode ser difícil olhar para sua maior paixão como negócio e fazer as transformações necessárias para gerar renda. Entretanto, é justamente essa coisa que você mais ama e sabe como ninguém fazer o grande diferencial na hora de empreender.

Pensa comigo: pelo menos um terço do seu dia é dedicado ao trabalho, certo? Quando trabalhamos com aquilo que curtimos, esse período fica ainda mais agradável e tendemos a investir cada vez mais naquilo. De obrigação pura e simples, o trabalho acaba se transformando em algo prazeroso: um projeto de vida.

Se você acabou de ser mãe e quer tocar um negócio próprio em nome de sua satisfação pessoal e maior proximidade com seu filhote, comece pela sua principal habilidade.

Aposto que depois da maternidade você descobriu talentos e qualidades que nem sabia que tinha. Foi assim que me transformei em Life Coach de Mães.

Depois de definir qual sua área de atuação, é hora de planejar. Estruturar como será seu empreendimento, criar um plano estratégico e se preparar financeiramente.

Use a criatividade para executar cada uma das etapas e tenha persistência para reavaliar e fazer possíveis correções pelo caminho. Só não vale desistir, hein?

O conhecimento é a chave para enfrentar qualquer dificuldade que aparecer pelo caminho. Estude, participe de cursos, eventos seminários e relaciona-se com o mundo. O networking é essencial para abrir novas portas e construir projetos ainda mais sólidos.

O caminho é árduo, mas quando fazemos o que gostamos e acreditamos nisso, o universo acaba conspirando a nosso favor.

Descubra sua real vocação profissional

Você ainda não se sentiu realizada em sua vida profissional? Seu trabalho não anda te dando muito tesão? Pensa em mudar de carreira, mas não sabe muito bem qual caminho seguir?

Lembre-se: não há nada de errado em querer mudar os rumos da sua vida profissional. Se isso vai te deixar mais realizada, é o que importa. É muito mais reconfortante se arrepender por ter feito algo do que nunca ter tentado.

Eu mesma sou prova disso. Larguei um emprego de anos para me dedicar ao que me dá mais prazer: ser Life Coach para ajudar várias mamães a resgatarem sua autoestima pós parto. Não digo que é fácil ser empreendedora, mas certamente me faz muito melhor do que insistir em algo que não estava me deixando tão motivada mais.

Se você ainda não descobriu qual a sua vocação, saiba que ela tem que ter a ver com você. Não se trata de escolher algo só porque é tendência no mercado ou mais rentável, mas que você goste de executar.

O importante é ser fiel às suas capacidades e interesses e ter vontade de aprender sempre. Sim, existe um mundo além dos cursos de graduação, pós e MBA. A identidade e as possibilidades são muito maiores do que as dimensões da sala de aula. Já experimentou fazer um coach?

Reconheça suas prioridades com a nova carreira, e reflita sobre o que é ser bem-sucedida para você. Depois disso, é hora de colocar a mão na massa e começar a seguir o caminho que escolheu para si.

Aproveite esse momento de questionamentos e parta pra luta em busca dos seus sonhos. As coisas só começam a acontecer quando a gente fecha portas de velhos lugares, para tentar abrir outras mais promissoras.

Empreendedorismo materno: dicas para quem trabalha em casa

Quem me conhece, sabe que há quase um ano deixei o trabalho em um escritório para me dedicar ao empreendedorismo.

Sem dúvidas, empreender e tocar um negócio próprio tem muitos benefícios: posso fazer meus próprios horários, fico livre do trânsito em horários de pico e ainda curto minha filhota por mais tempo.

Para garantir a produtividade, tive que fazer algumas adaptações no meu dia-a-dia e na minha casa e criar uma rotina que se alinhasse à essa nova realidade.

É claro que não bater ponto traz mais flexibilidade, mas se a gente não fica atenta pode acabar procrastinando ou estendendo mais do que deveria. Sobre a procrastinação eu já falei aqui no blog.

Quem vai escolher o turno é você. Há quem prefira o dia, outras têm um desempenho melhor à noite. Esse é um dos principais benefícios de não trabalhar fora, inclusive.

Defina qual o seu horário de maior produtividade e planeje seu dia: horas dedicadas ao trabalho, a você e à sua família e ao lazer. E, sim, é importante ter horário fixo para acordar, trocar de roupa e almoçar.

Estar em casa é diferente de estar disponível o tempo todo. Negocie com quem compartilha o mesmo espaço com você. Explique a eles que está trabalhando e precisa ficar focada, mas que depois dará toda atenção do mundo a eles.

As reuniões e tarefas que exigem mais concentração, por exemplo, eu prefiro marcar quando a Júlia está na escola. Já as funções mais simples, como responder e-mails, posso fazer enquanto ela está brincando sozinha ou dando uma soneca.

Outra coisa super importante é delimitar o seu espaço de trabalho: um ambiente tranquilo, arejado e bem iluminado onde seus objetos de trabalho fiquem organizados. Se você não pode ter um escritório, monte uma mesa ou escrivaninha exclusivamente para trabalhar.

Circular e ser vista é fundamental para quem é empreendedora individual. Marque encontros e reuniões com seus parceiros, sobretudo, em locais públicos e que também sejam utilizados por outros empreendedores.

E, sim, participe de palestras, workshops e outros eventos que ampliem seu conhecimento. Oportunidade ótima para expandir suas conexões e até fazer marketing pessoal.

Por fim, conte com a ajuda de um contador para cuidar de toda a parte financeira da sua empresa. Assim, você fica com mais tempo disponível para fazer seu negócio crescer.

  • Site desenvolvido por Agência Vetta