instagramcustom

Blog Archives:

A tal da autorresponsabilidade

Falei outro dia sobre o quanto temos o péssimo hábito de reclamar. E como se não bastasse, encontrar culpados pelas coisas ruins que acontecem conosco. Essa atitude pode até ser automática.

A grande verdade, entretanto, é que somos, nós, as principais responsáveis por tudo o que acontece, tanto de positivo quanto negativo. São as nossas escolhas que direcionam nossos caminhos. Não existe destino, acaso ou fatalidade.

Não adianta buscar explicações para as coisas que acontecem, enquanto tudo que acontece é uma resposta às nossas atitudes ou omissões.

Nada de achar isso tudo assustador. Na real, saber que tudo está em nossas mãos é altamente empoderador.

Se estamos em uma situação ruim, fomos nós que nos colocamos nela. Melhor: temos força e potencial para sair dela. E se queremos muito a realização de algo, está em nossas mãos fazer acontecer. É só abrir mão da preguiça e ir à luta.

Nada está fora do nosso controle. Somos nós quem ditamos as regras, escolhemos os rumos e mudamos a direção quando necessário. A gente sabe exatamente o que fazer caso nossas ações não estejam nos levando para onde gostaríamos de ir.

Só nós temos que fazer acontecer e ninguém mais. Encorajador isso, certo?

Férias: novas descobertas para a criançada

As férias acabaram, mas o período foi de muita descoberta para a Júlia. Até dormir pela primeira vez na casa de uma amiguinha da escola ela dormiu!

Confesso que fiquei um pouco insegura. Sempre fica aquela medinho na primeira vez, né? Será que ela ficaria bem? Será que se cansaria? Como conhecia as pessoas que moravam na casa e sabia que tudo podia correr bem e em segurança, acabei ficando mais tranquila.

Por ter me divorciado quando Júlia tinha apenas 1 ano e 10 meses, ela acabou se acostumando a dormir na casa de parentes próximos. Principalmente dos avós. Vale lembrar que nesse período sempre contei muito com o apoio da minha família. Isso tudo acabou deixando ela mais tranquila e confiante de que eu estaria à disposição caso precisasse de mim.

Por falar na relação entre pais e filhos, entendo que a liberdade vem depois da confiança. E que somos colocadas à prova todo o tempo por nossos filhos e pelas diversas situações que enfrentamos. O importante é gerar empatia com eles e parar de dizer “não“ sem pensar. Sobretudo pelo fato de achar que o “não” vai dar segurança e proteção.

Foi positivo saber que ela curtiu. A cada experiência, uma descoberta!

E você mamãe, como agiria se fosse na sua casa?

  • Site desenvolvido por Agência Vetta