instagramcustom

Blog Archives:

A importância da tal da atividade física

Outro dia, vi alguém falar que a atividade física é tão importante, que ela chega a ser indispensável como o banho. Tem dias que a gente toma pela manhã, antes de sair de casa. Em outros, à noite ou naquele espacinho que sobrou na agenda. Pra não treinar, assim como o banho, o motivo tem que ser muito sério. Mesmo.

E isso não tem só a ver com motivos estéticos. Alcançar o corpo dos sonhos é apenas uma consequência. Os benefícios vão muito além disso. A prática regular de atividade física proporciona muito mais qualidade de vida pra gente: controla a pressão arterial, fortalece o coração, emagrece, relaxa, diminui a ansiedade e a depressão. Quem gosta de ir ao médico? Pois é: malhar reduz consideravelmente as visitas ao médico. E mais: aumenta a expectativa de vida.

Mas o melhor de tudo é que a atividade física nos deixa muito mais fortes. Você já parou para pensar que a tecnologia tem facilitado tanto as coisas, que estamos ficando mais preguiçosas? O resultado de tudo isso é um corpo mais fraco. O corpo que não é colocado em movimento ‘desaprende’ a fazer tarefas corriqueiras como subir escadas. É como a escrita. Se você não treina, vai ficando cada vez mais difícil escrever.

Sem exercício, sua musculatura e seus ossos vão perdendo a força. Quando chegar a velhice, pode ser difícil até se levantar da cama.  Além de um corpo mais forte, você certamente terá mais vigor e ânimo para lidar com as situações adversas que aparecerem pela frente.

E sim: não precisa ser musculação ou corrida. Pode ser vôlei, balé, pilates, Yoga, alongamento e até futebol. O importante é incorporar o movimento em sua vida. E, sobretudo, que ele te proporcione o máximo de prazer possível.

Não vá fazer algo só porque é mais fácil, hein? Tem que dar prazer e te deixar renovada. Assim como um banho refrescante depois de um dia cheio de trabalho.

7 atitudes para que a atividade física seja realmente eficaz

O lema No Pain, No Gain não devia ser levado tão ao pé da letra. É claro que exercitar – seja em treinos aeróbicos ou de musculação – exige uma boa dose de esforço misturada com outra de muita dedicação. Nem sempre sair acabada da academia, entretanto, é o suficiente.

Atingir os resultados esperados – corpo mais esbelto, músculos, fortalecimento da saúde – com a atividade física envolve vários outros fatores. Muita gente passa horas na academia e custa a ver grandes progressos, mesmo com muito empenho. Talvez por não se ligarem nessas outras variáveis, que incluem uma alimentação saudável e descanso.

Felizmente, vários desses fatores dependem de nós mesmas. Quer ver só?

Dormir é gostoso e faz bem
O sono repõe nossa energia física e mental. É durante esse processo que o corpo se nutre para repor as células perdidas. Quando a gente não dorme direito podem ocorrer problemas de cognição, modificações na pressão sanguínea, aumento da gordura corporal, comprometimento na liberação hormonal, e até o metabolismo fica mais lento.

Os dias off devem ser ativos
Um dia de descanso na academia não significa ficar deitada no sofá entupindo de guloseimas. É claro que você pode aproveitar para descansar e comer aquele doce que tanto ama. Mas tire um tempinho para se movimentar também, seja levando seu cachorro pra passear, brincando com a criançada ou fazendo uma deliciosa caminhada pelo parque.

Coma comida de verdade
Sei que a rotina agitada pede lanches rápidos, e que cortar todos os industrializados é tarefa quase impossível. Dê preferência às frutas, hortaliças e carnes in natura sempre que possível. Quando for consumir algo direto da embalagem, confira a lista de ingredientes. Quanto menor ela for e menos itens com nomes estranhos tiver, melhor para a saúde.

De olho nas porções
Coma pequenas quantidades e só até se sentir saciada. Mantenha intervalos de 3h em 3h entre uma refeição e outra, ou coma apenas quando tiver fome.

Equilíbrio é tudo!
É muito melhor você permitir aquele chocolate ou doce que tanto ama ocasionalmente do que se privar sempre. Lembre-se que o radicalismo pode levar à compulsão, colocando tudo a perder. Se você se restringe demais, pode acabar exagerando mais que o recomendado quando se permitir a um deslize.

Divirta-se!
Escolher uma atividade física que você realmente curta fazer ajuda a te manter motivada e ainda dá aquela acelerada nos resultados. Você vai sentir vontade de ir às aulas, colocar mais energia nos movimentos e não vai desistir tão fácil.

Você tem que sair da academia melhor do que quando chegou
Um dos principais indicadores de que seu esforço está valendo a pena é se sentir revigorada após o treino em vez de sem pique ou cheia de dores. É super normal notar uma sensibilidade nos músculos, mas nada além disso. Pelo contrário: deve sobrar endorfina e energia para encarar o resto dia.

6 dicas para quem está sem tempo de exercitar

Quem é mãe, dona de casa, empreendedora ou trabalha fora sabe o quanto pode ser difícil encaixar uma horinha para se exercitar. Em meio à tanta tarefa pra fazer, além de tempo, pode faltar até ânimo para ir à academia ou correr na rua.

Só que a atividade física faz um bem danado para a nossa autoestima, sobretudo, na vida pós parto. É um momento que tiramos para cuidar de nós mesmas, e ficar mais forte para superar desafios. Pensando nisso, resolvi compartilhar com vocês, mamães, algumas dicas para incluir o esporte no seu dia-a-dia.

Crie metas possíveis
Você não precisa ser a rata da academia. Estabeleça metas fáceis de cumprir. Um exemplo básico: comece a se exercitar por meia hora três vezes na semana naqueles momentos do dia em que estiver mais folgada.

Quem trabalha fora, por exemplo, pode fazer uma caminhada ou corrida pela manhã, logo ao acordar. As mamães empreendedoras individuais ou donas de casa podem deixar a atividade física para quando as crianças estiverem no colégio, ou no fim do dia.

Está difícil matricular em uma academia?
Caminhada, corrida, dança, bicicleta… Você só precisa de tênis e disposição para praticar qualquer uma dessas atividades. Uma dica: existem aplicativos com dicas ótimas de exercícios que podem ser feitos em casa.

Negocie um tempo para você
Que tal combinar com seu companheiro (aqui vale para outras pessoas que moram na mesma casa) um tempo para ele cuidar do seu filhote enquanto você vai se exercitar?

Inclua a criançada na atividade física
Existem vários exercícios que você pode colocar a criançada para fazer junto: dançar, pular cordas, bolas e bambolês. Garanto que seu pequeno vai amar curtir esse momento com você. A Júlia adora participar dos meus treinos ao ar livre no fim de semana.

Seu filho ainda é neném? Não se preocupe, você pode fazer uma corrida ou caminhada de carrinho. É super divertido!

Largue o celular
Sabe aquele tempo que você gasta olhando as redes sociais? Então, é suficiente para fazer uma caminhada na praça mais próxima. Convide uma amiga para ir junto. Vocês vão se incentivar.

Exercite nas folgas ao longo do dia
Para manter seu corpo em movimento, vá a pé para o serviço se possível, estacione ou desça alguns pontos antes, use a escada ao invés do elevador e alongue enquanto trabalha.

Que tal colocar em prática hoje mesmo essas dicas? Garanto que, em pouco tempo, você vai tomar gosto pela coisa e vai encarar o dia-a-dia com muito mais disposição.

Tem alguma outra estratégia para driblar a falta de tempo e se exercitar? Compartilhe comigo!

Alivie o cansaço físico e mental

No trabalho, na academia e até nos joguinhos de celular… Você é daquelas pessoas que amam se desafiar? Se, por um lado, dedicação ajuda a carreira decolar ou obter melhores resultados nos treinos, por outro, pode atrapalhar sua vida pessoal e a saúde.

Stress, dores musculares, ansiedade são sintomas super comuns de quem erra a mão no foco e na disciplina. E mais: o esgotamento físico, mental e emocional gera uma sensação de frustração e incompetência, podendo levar a consequências mais graves como problemas cardíacos.

Para fugir desses inconvenientes, você pode avaliar como o trabalho – ou qualquer outra situação que você tenha uma dedicação extrema – está interferindo na sua rotina. Está sem tempo para ler, passear ou encontrar com os amigos? Diminua o ritmo.

Utilize as horas livres para descontrair com atividades prazerosas, como ouvir música, apreciar um bom vinho, tomar sol no clube. Isso vai ajudá-la a relaxar e voltar com força total a atividade alvo.

Que tal dedicar uma parte do seu dia a aprender coisas novas? Cozinhar, pintar, desenhar ou estudar uma nova língua podem ser escolhas super prazerosas, que vão trazer vários benefícios à sua vida.

Espante o sono sem abusar do café

Indiscutivelmente, o café é nosso grande aliado quando bate aquele sono no trabalho ou nos dias em que a preguiça parece reinar em absoluto. Isso tudo porque a cafeína acelera o metabolismo e ainda tem o poder de aumentar o foco e a concentração. Eu, por exemplo, amo e sou viciada.

O abuso, entretanto, pode aumentar a ansiedade, enfraquecer o organismo e até mesmo desencadear uma doença precursora do câncer de mama.

Três doses diárias é o máximo recomendado por dia, de acordo com especialistas. A última deve ser saboreada antes das seis da tarde para não atrapalhar no sono. Eu já falei disso, lembra?

Você pode tomar um pela manhã ao acordar e fracionar duas doses no lanche da tarde, sendo que aquele cafezinho logo depois do almoço não é o mais recomendado, pois prejudica a absorção de nutrientes.

Outra dica ótima é investir no chá verde. Ele também afasta o sono para bem longe da gente, e ainda é uma bebida funcional, que ajuda a limpar o organismo.

Se tiver dormido e o sono estiver batendo forte, vale a pena investir em alguns truques, como jogar água fria no rosto e fazer pequenas pausas para ativar o corpo e aumentar a energia. Essa última, por sinal, é ótima para manter a circulação do sangue em dia.

Por fim, beba água. Se além de dormir pouco, você não se hidratar, vai se sentir ainda mais esgotada.

Alimentação e sono: O que não comer antes de ir dormir?

Nada mais gostoso do que uma boa noite de sono. Além de dormir ser muito bom, não tem sensação melhor que acordar bem disposta para cumprir as tarefas do dia seguinte.

E o que a gente come influencia na qualidade do sono. Escolhas nutricionais erradas podem fazer a gente dormir muito mal.

A cafeína é a principal delas, e ninguém é doida de tomar um cafezinho antes de ir para a cama. A não ser que precisamos ficar acordadas para cumprir algum compromisso ou trabalhar em um projeto urgente.

Fiz uma listinha com alguns alimentos que podem bagunçar o nosso sono.

Bebida alcoólica
Engana-se quem pensa que uma tacinha de vinho ou um copo de cerveja são aliados para pegar no sono mais rápido. Apesar de relaxar e causar sonolência, o efeito é bem parecido ao da cafeína, fazendo com que a gente acorde várias vezes durante a noite.

Sobremesas e doces
O açúcar é um ingrediente ‘extremamente’ energizante. Se o seu paladar pede algo doce antes de dormir, aposte nas frutas combinadas com castanhas ou outro alimento proteico. Pesquisas recentes sugerem, inclusive, que as frutas podem ajudar no sono graças à substâncias como a melatonina e serotonina.

Alimentos picantes e ácidos
Não exagere no tempero do seu lanche antes de deitar. Evite comer pimenta, gengibre, curry e outros termogênicos naturais. Os refluxos acontecem com muito mais facilidade quando estamos deitadas, já que a posição facilita que o ácido do estômago volte pelo esôfago, causando desconfortos como a azia.

O mesmo vale para vegetais fibrosos
O feijão, por exemplo, é digerido com muita dificuldade. E o brócolis também. Ambos possuem substâncias que provocam inchaço e gases.
Isso não significa que você deva abolí-los da alimentação. Prefira comê-los na hora do almoço, por exemplo.

Antes de dormir, consuma alimentos mais leves e de fácil digestão como uma vitamina de abacate, iogurte natural com aveia ou um frango com uma salada verde e tomate. Para finalizar, um chá de camomila ou suco de maracujá ajudam a dar aquela relaxada.

Garanto que você vai acordar revigorada!

Você tem medo de comer?

Você pensa no cardápio de um restaurante antes de aceitar um convite para jantar? Você sente muita culpa ao comer o seu doce preferido – ocasionalmente – por considerar o açúcar o maior vilão de uma alimentação saudável? Passa mal só de pensar que algum contratempo vai impedir que cumpra as refeições do jeito que sua nutricionista programou?

É hora de deixar o medo e a neurose de lado e encarar a alimentação saudável como algo natural. Comer bem não é uma doença, mas a obsessão pela ideia de comer bem sim. E isso, infelizmente, tem se tornado em um distúrbio cada vez mais comum.

A definição real de uma alimentação saudável é tentar reduzir ao máximo os industrializados do seu dia-a-dia, priorizando a comida de verdade, mas desde que você se alimente com prazer.

Lembre-se: nutrir, antes de tudo, é comer de um jeito que te faça bem durante e depois. E isso significa o equilíbrio entre comer para saúde e para o prazer.

Se você já incorporou uma alimentação saudável em sua rotina, comer uma massa no almoço de família no domingo, não é o fim do mundo.

Principalmente, se aquela massa for artesanal e menos industrializada possível.

Deixe o medo para lá. Saiba antes de tudo sintonizar sua fome interna. Se você se sente saciada, não há necessidade de comer só porque ouviu que o correto é se alimentar de 3h em 3h. Lógico que isso não quer dizer que você vai ficar longos períodos sem comer, mas avalie o seu nível de fome. E o principal de tudo: o que realmente irá satisfazê-la naquele momento. Se envolve algo natural, então, não há porque temer.

Se escolher algo proibido, coma sem culpa. Confie em si mesma, deixe os pensamentos de culpa e vergonha pra lá e aproveite cada momento com moderação. Não é porque abriu exceção para um sorvete, que você precisa devorar um pote inteiro.

O importante, no fim das contas, é que o comer seja uma experiência sensorial completa em que você aprecie cores, sabores e aromas de cada um dos alimentos.

O melhor tênis e a meia ideal para se exercitar

Muita gente fica na dúvida sobre qual o melhor tênis e a meia ideal para se exercitar. Quando a atividade física é aeróbica, como a corrida, caminhada, montanhismo ou bike, então, nem se fala: as dúvidas são ainda maiores. Afinal de contas, é eles que vão levar nossos pés com conforto e segurança até a linha de chegada.

Toda escolha requer, portanto, muito cuidado e pesquisa. Entretanto, não existe uma verdade absoluta. O melhor calçado é aquele que fica mais confortável nos seus pés, e claro, atenda às exigências da atividade que escolheu praticar.

Para correr, há quem prefira um tênis com mais amortecimento, mas tem gente que curte algo mais leve, natural e com menos amortecimento.

Não tem segredo: é preciso testar. É importante que o tênis se ajuste bem aos seus pés: não pode ser muito apertado e nem muito largo.

Nossos pés incham em algumas situações, sobretudo, na prática de atividade física. Considere até mesmo comprar um número maior. Por outro lado, um tênis muito largo pode ocasionar bolhas e até pequenos acidentes.

Assim como o tênis, as meias também precisam ser encaradas como um equipamento de treino. O ideal é optar por aquelas com uma pequena – e até nenhuma – quantidade de algodão. As meias de fibra repelem água e secam mais rápido que as de algodão.

Outra dica que garante o conforto dos nossos pés é usar meias sem costuras nos pés. O resultado: muito menos bolhas indesejáveis.

Em relação ao tecido – mais fino ou grosso – é uma escolha pessoal. Não há garantia de melhor performance usando uma ou outra. O importante é você se sentir bem. Agora, no inverno, as meias mais grossas ajudam a esquentar.

Ouça seu corpo e o quão confortável ele fica na hora de escolher o melhor tênis e a melhor meia para você mexer o corpo.

Mude sua atitude frente à comida e assuma o controle de sua alimentação

Você é daquelas pessoas que não conseguem apreciar um pedaço de pizza ou um sorvete sem se sentir culpada?

Pode parar já com isso! A culpa, além de engordar, ainda exerce um efeito contrário, pois pode levar a efeitos ainda piores, como a compulsão alimentar.

Permitir-se algumas pequenas exceções é fundamental para levar uma vida mais leve e garantir hábitos mais positivos e menos punitivos. E mais: é você quem determina quais serão suas escolhas na mesa.

Respire fundo
O conflito “Como ou não como?” é extremamente nocivo para corpo e mente. Seu nível de stress aumenta, liberando cortisol, hormônio diretamente relacionado ao aumento de peso. Inspire e diga ao seu cérebro que está tudo bem. Assim, você aciona sua força de vontade para resistir àquela tentação na sua frente.

E se a vontade de comer aquele doce for muito grande?
Espere um tempinho, avalie se a vontade é real ou é causada por ansiedade, tédio ou tristeza. Se ainda assim você continuar com água na boca, coma e seja feliz.

Afinal de contas, um alimento não é totalmente ruim
Sim! Todos os alimentos têm algum valor nutritivo. Até mesmo o açúcar, associado ao bem-estar.

Lembre-se: o que não vale é o exagero. E muito menos transformar a exceção em regra.

Aprecie a comida
Mastigue devagar, preste atenção naquilo que está comendo, sinta e saboreie o gosto de cada um dos ingredientes. Tudo isso aumenta a saciedade e a percepção alimentar.

Perder peso não é o mais importante
Muito mais do que emagrecer, você deve ter consciência de que uma alimentação mais saudável traz vários outros benefícios à saúde e ao bem-estar.

Celebre pequenas conquistas como uma maior disposição, mais força e melhora do cabelo e da pele.

Como não engordar no fim de semana

O jeito que você se comporta no fim de semana pode resultar em uns quilinhos a mais.

Você é daquelas que se jogam no sofá – ou até na cama – para fazer maratona da sua série preferida na Netflix?

É super tentador aproveitar os dias de folga para ficar deitada descansando, mas quando isso se torna um hábito, as chances do ponteiro subir são imensas. Levante-se, mexa-se. Reserve nem que seja uma horinha do seu dia para correr, caminhar ou pedalar.

A situação fica ainda pior se a maratona for acompanhada de guloseimas. Quando bater a fome, escolha opções mais amigáveis e concentre-se no que está comendo para não exagerar a mão, hein?

Dormir muito mais do que você está acostumada também pode afetar a produção de hormônios responsáveis por controlar o apetite. O resultado: mais apetite por chocolate, sorvete e pizza. Durma por, no máximo, duas horas além do habitual.

Enfiar o pé na jaca e comer e beber tudo o que você evita durante a semana é outro péssimo hábito.

Lembre-se: você tem que incorporar um estilo de vida em que priorize uma alimentação sempre saudável e não totalmente restritiva. Do contrário, o cérebro pode aumentar o seu desejo por comida, favorecendo o consumo nos momentos de relaxamento.

Escolha uma refeição em todo fim de semana para comer seu doce ou prato preferido.

Mais um feriadão está chegando por aí. Quais vão ser suas escolhas?

  • Site desenvolvido por Agência Vetta