instagramcustom

Blog Archives:

Alimentação da criançada

Você costuma dar bala, bombom, chiclete, docinhos ou qualquer outra guloseima quando seu pequeno está chateado? Sem querer, você pode estar criando um problemão no futuro.
Sei o quanto dói quando a criançada está triste. E mais: também sei o quanto pode ser tentador oferecer o doce preferido dos nossos pequenos nessas horas. Só que precisamos ser fortes nessas horas. Segundo especialistas, crianças alimentadas com guloseimas têm muito mais chance de desenvolver distúrbios alimentares no futuro.
E sabe o que é pior? Quando nós, mamães, descontamos nossas emoções na comida, também passamos esse comportamento para nossos filhos. Lembre-se que nossos pequenos são como esponjinhas, imitando tudo o que a gente faz.
O melhor é ensinar os pequenos a aprenderem a lidar com as situações adversas da vida desde cedo. Um colo, um beijo ou um caloroso abraço pode ser muito mais saudável nessas horas.
O diálogo também é essencial. Ele ajuda a entender o que aconteceu e possibilita esclarecer à criança que momentos de tristeza e irritação são comuns em nossa vida. É preciso tentar ajudá-las a lidar com a situação. Estaremos, assim, criando seres humanos fortes, com autonomia para enfrentar as adversidades da vida.

Qual a importância de escolher alimentos orgânicos?

Alimento orgânico, é qualquer produto animal ou vegetal obtido sem a utilização de produtos químicos que favoreçam o seu crescimento de forma não natural.

A grande vantagem disso, além da produção de alimentos mais ricos em nutrientes, saudáveis e naturais, é a preservação do solo, do meio ambiente, da agricultura sustentável e familiar. Os agrotóxicos fazem com que os alimentos tenham baixo valor nutricional e podem causar doenças, além de poluir a água, o ar, a terra, flora e fauna.

A agricultura orgânica restaura a biodiversidade, protege a qualidade da água, e os animais que se abastecem dela, evita erosão do solo, protege futuras gerações de contaminações químicas, economiza energia, ajuda pequenos agricultores a sustentar suas famílias.

Solos ricos e balanceados com adubos naturais produzem alimentos com maior valor nutritivo e muito mais saborosos. Possuem menor teor de água na sua composição, quando comparados com os alimentos convencionais por isso os nutrientes ficam mais concentrados. Normalmente são colhidos poucos dias antes do consumo, os insumos chegam na sua mesa bem mais fresquinhos e com características naturais dos alimentos que crescem no seu devido tempo e local. Não é sensacional respeitar o tempo das coisas?! Isso permite o fortalecimento da nossa saúde, bem como os mecanismos de defesa dos nosso organismo.

O comércio de alimentos orgânicos tem crescido e é possível escolher na prateleira de supermercados, em feirinhas e até pedir em casa através de sites e empresas que fazem esse trabalho delivery, costuma ter um preço um pouquinho mais alto do que os convencionais pois exigem mais tempo e cuidado no cultivo.

Você também pode optar por ter uma hortinha em casa, é uma experiência maravilhosa a criança tem contato com a natureza, conhece de onde vem o alimento e consequentemente tem mais prazer em consumir os tais “verdinhos” principalmente.

“Estamos legando às futuras gerações a esperança de uma vida justa e harmoniosa neste planeta. Consumindo orgânicos, desenvolvemos nosso papel de agentes de transformação social e ambiental, praticando um exercício de cidadania” (fonte: ministério da agricultura).

Importante lembrar que mesmo o produto orgânico precisa ser higienizado, pois etapas como a água que rega, contato com a terra, manuseio humano e transporte podem causar contaminação.

Vale pensar também que industrializados orgânicos podem ter sal, gorduras ruins e outros elementos que não são saudáveis na sua composição. Tipo: pode ser orgânico e frito, né? Ai não faz tão bem assim! Fiquem ligados aos rótulos e selos de regulamentação.

Consuma alimentos naturais e caseiros na sua rotina e dos seus filhos! Deixe as embalagens para dias esporádicos, nunca para o dia a dia.

Matéria escrita por Letícia Oliveira, nutricionista infantil.

Instagram @nutrininos

site www.nutrininos.com.br

  • Site desenvolvido por Agência Vetta