instagramcustom

Author Archives:

Letícia Melo

Alimentação da criançada

Você costuma dar bala, bombom, chiclete, docinhos ou qualquer outra guloseima quando seu pequeno está chateado? Sem querer, você pode estar criando um problemão no futuro.
Sei o quanto dói quando a criançada está triste. E mais: também sei o quanto pode ser tentador oferecer o doce preferido dos nossos pequenos nessas horas. Só que precisamos ser fortes nessas horas. Segundo especialistas, crianças alimentadas com guloseimas têm muito mais chance de desenvolver distúrbios alimentares no futuro.
E sabe o que é pior? Quando nós, mamães, descontamos nossas emoções na comida, também passamos esse comportamento para nossos filhos. Lembre-se que nossos pequenos são como esponjinhas, imitando tudo o que a gente faz.
O melhor é ensinar os pequenos a aprenderem a lidar com as situações adversas da vida desde cedo. Um colo, um beijo ou um caloroso abraço pode ser muito mais saudável nessas horas.
O diálogo também é essencial. Ele ajuda a entender o que aconteceu e possibilita esclarecer à criança que momentos de tristeza e irritação são comuns em nossa vida. É preciso tentar ajudá-las a lidar com a situação. Estaremos, assim, criando seres humanos fortes, com autonomia para enfrentar as adversidades da vida.

Qual a importância de escolher alimentos orgânicos?

Alimento orgânico, é qualquer produto animal ou vegetal obtido sem a utilização de produtos químicos que favoreçam o seu crescimento de forma não natural.

A grande vantagem disso, além da produção de alimentos mais ricos em nutrientes, saudáveis e naturais, é a preservação do solo, do meio ambiente, da agricultura sustentável e familiar. Os agrotóxicos fazem com que os alimentos tenham baixo valor nutricional e podem causar doenças, além de poluir a água, o ar, a terra, flora e fauna.

A agricultura orgânica restaura a biodiversidade, protege a qualidade da água, e os animais que se abastecem dela, evita erosão do solo, protege futuras gerações de contaminações químicas, economiza energia, ajuda pequenos agricultores a sustentar suas famílias.

Solos ricos e balanceados com adubos naturais produzem alimentos com maior valor nutritivo e muito mais saborosos. Possuem menor teor de água na sua composição, quando comparados com os alimentos convencionais por isso os nutrientes ficam mais concentrados. Normalmente são colhidos poucos dias antes do consumo, os insumos chegam na sua mesa bem mais fresquinhos e com características naturais dos alimentos que crescem no seu devido tempo e local. Não é sensacional respeitar o tempo das coisas?! Isso permite o fortalecimento da nossa saúde, bem como os mecanismos de defesa dos nosso organismo.

O comércio de alimentos orgânicos tem crescido e é possível escolher na prateleira de supermercados, em feirinhas e até pedir em casa através de sites e empresas que fazem esse trabalho delivery, costuma ter um preço um pouquinho mais alto do que os convencionais pois exigem mais tempo e cuidado no cultivo.

Você também pode optar por ter uma hortinha em casa, é uma experiência maravilhosa a criança tem contato com a natureza, conhece de onde vem o alimento e consequentemente tem mais prazer em consumir os tais “verdinhos” principalmente.

“Estamos legando às futuras gerações a esperança de uma vida justa e harmoniosa neste planeta. Consumindo orgânicos, desenvolvemos nosso papel de agentes de transformação social e ambiental, praticando um exercício de cidadania” (fonte: ministério da agricultura).

Importante lembrar que mesmo o produto orgânico precisa ser higienizado, pois etapas como a água que rega, contato com a terra, manuseio humano e transporte podem causar contaminação.

Vale pensar também que industrializados orgânicos podem ter sal, gorduras ruins e outros elementos que não são saudáveis na sua composição. Tipo: pode ser orgânico e frito, né? Ai não faz tão bem assim! Fiquem ligados aos rótulos e selos de regulamentação.

Consuma alimentos naturais e caseiros na sua rotina e dos seus filhos! Deixe as embalagens para dias esporádicos, nunca para o dia a dia.

Matéria escrita por Letícia Oliveira, nutricionista infantil.

Instagram @nutrininos

site www.nutrininos.com.br

Como evitar a queda de cabelos no período do Pós Parto

Hoje quem veio falar com a gente é a Dra Cristiane Câmara Alves , médica tricologista e especializada em transplante capilar.

Bom dia Dra Cristiane, tudo bem?

Conta pra gente, Porque os cabelos das gestantes que ficam lindos e sedosos durante a gestação caem após o parto?

Durante a gestação ocorre aumento nas das taxas de estrógeno e progesterona deixando as madeixas e a pele mais hidratada e bonita. Quando o bebê nasce, a placenta, que é a responsável pelo aumento de estrógeno, é retirada e acontece uma alteração abrupta hormonal, que pode alterar a fase de desenvolvimento do cabelo. O cabelo sai da fase anágena que é a de crescimento e vai para a fase telógena que é a fase de queda. Por isso, o cabelo cai, mesmo quando os fios estão no seu último ciclo de vida. Damos o nome para esse tipo de queda de eflúvio telógeno. Existem outras causas de eflúvio telógeno como estresse, anemia, dietas muito restritivas, febre, pós cirurgia bariátrica, hipotireoidismo entre outras causas.
Quais as Dicas para evitar a queda intensa no período do pós parto?

– Antes e depois da gravidez se certifique de comer alimentos ricos em proteínas e com diversidade nutricional.
– Não deixe o couro cabeludo oleoso. Lave se necessário todos os dias e use uma vez por semana shampoo antiresíduo.
– Após o parto inicie o uso de vitaminas específicas para os cabelos.
– É normal que a perda se inicie 60 dias após o parto e dure cerca de 3 meses. Caso a sua perda seja além do esperado procure o médico.
– Mulheres portadoras de alopecia androgenética devem fazer acompanhamento com o especialista para não comprometer os possíveis tratamentos futuros.

Dra Cristiane, muito obrigada por compartilhar suas dicas com a gente e quem quiser acompanhar o trabalho da dra Cristiane siga o instagram dela:  dra.cristianecamaraalves

O melhor ovo de Páscoa para as crianças

Ao leite, branco, amargo, recheado… São várias as opções de ovos de Páscoa no mercado! Uma mais deliciosa e tentadora que a outra tanto pra gente quanto pra criançada.

Precisamos ficar de olho qualidade do chocolate e no consumo, sobretudo, para os pequenos. Segundo especialistas, a moderação é importante para evitar os efeitos negativos do açúcar e gordura, como a cárie, obesidade e colesterol.

Felizmente alguns truques nos ajudam a levar para casa um ovo de qualidade, saudável e muito mais saboroso.

Tipo de chocolate

O ovo feito com chocolate meio amargo é o que traz mais benefícios. Ele é feito com mais cacau do que açúcar. Só que seu sabor mais forte pode não fazer muito sucesso entre a criançada. Então, aposte nos ovos com grande quantidade de leite, ricos em cálcio, e livres de açúcar e conservantes.

Consumo

Outra dica infalível é estabelecer porções e horários para comer o ovo com seu filhote. Nada de comer tudo de uma vez!

O excesso de chocolate pode causar diarreia e vômito e deixar a criança muito ansiosa.

Agora, se você quiser se aventurar na cozinha, convide a criançada pra fazer junto com você um ovo caseiro. Pode ser muito prazeroso criar uma receita do jeitinho que vocês mais gostam. Que tal?

VPP Entrevista: Ana Paula Garcia, do Mãe na Hora Certa

Hoje eu bati um papo com a Ana Paula Garcia, no Vida Pós Parto na CDL FM 102.9. Ela é Coach para gestantes e idealizadora do Mãe na Hora Certa. Pra quem perdeu a entrevista, segue na íntegra. Vale super a pena conferir.

Letícia Melo: Você idealizou o Mãe na Hora Certa após uma experiência de vida sua na maternidade?

Ana Paula Garcia: O Mãe na Hora Certa é um projeto de Planejamento Financeiro, Pessoal e Profissional para as tentantes e gestantes. Eu idealizei este projeto depois do nascimento dos meus filhos, pois entendi que nos preparamos para os nove meses de gestação e não para as mudanças que chegam com o nascimento dos nossos filhos.

Letícia Melo: Eu posso dizer que o projeto também é um gerador de conteúdo para as mães além do serviço de Coaching? Conta pra gente como funciona e quais os serviços do Mãe na Hora Certa.

Ana Paula Garcia: Sim, mantenho as redes sociais do Mãe na Hora Certa com conteúdos diferenciados sobre como se planejar para a chegada do bebê. Desenvolvi o Coach para Gestantes e Tentantes para orientar as futuras mamães a se planejarem para as mudanças que vão ocorrer na sua rotina com a chegada do seu filho. E a novidade deste ano é o Personal New Mom, um passo a passo de como organizar a casa da futura mamãe para receber seu bebê.

Letícia Melo: E o coaching para as gestantes apoia a mãe em quais etapas da maternidade?

Ana Paula Garcia: O processo de coaching permite apoiar a futura mamãe em todas as etapas: antes, durante e depois da gestação. Vamos atuar a partir do momento que a mamãe me procurar, depende da fase que ela estiver vivenciando. Quanto antes iniciarmos o processo mais tempo essa mãe terá para se planejar.

Letícia Melo: Se você pudesse dar uma única dica para as Mães, qual seria?

Ana Paula Garcia: Futuras mamães não deixem para tomar suas decisões pessoais, financeiras e profissionais no período da sua licença maternidade, este é um momento conturbado de emoções a flor da pele que podem influenciar negativamente suas escolhas. Façam seu planejamento materno além dos 9 meses da sua gestação, afinal filho é para a vida toda! Ana, obrigada por compartilhar seu conhecimento e projeto conosco. Para quem quiser saber mais, é só acessar o Mãe na Hora Certa no Facebook ou Instagram.

Animais de estimação para a criançada

Seu filhote tem ou já pediu um animalzinho de estimação? A dupla criança e pet pode ser uma parceria de sucesso.

Um dos benefícios mais conhecidos dessa dobradinha, certamente, é o companheirismo. O pequeno que convive com animais desde cedo desenvolve melhor a capacidade de se relacionar afetivamente. É que essa interação estimula a sensibilidade e os sentimentos de solidariedade, generosidade, afeto e, principalmente, o respeito.

Cuidar de um bichinho, segundo especialistas, também faz com que a criança seja mais responsável e tenha autonomia.

Os benefícios não param por aí. Com essa relação, o pequeno descobre temas naturais da vida, como o nascimento, a procriação e a morte. A criança aprende, assim, a lidar com a perda e a morte.

E, sim, os animais despertam a consciência ecológica e auxiliam na prática de atividade física, por meio de brincadeiras e passeios.

Apesar da relação positiva, é importante lembrar que os pais esperem a criança desenvolver melhor a habilidade motora para adotar um pet. A casa e a rotina também devem estar preparadas e organizadas para receber esse novo membro da família.

Júlia e eu tivemos uma experiência um pouquinho triste com animais de estimação. Tivemos uma Schnauzer chamada Flô. Ela faleceu aos três anos, quando Júlia completaria 1 ano de vida.

Eu era muito apegada a minha cachorrinha. Durante os 9 meses da gestação, ela me acompanhou de pertinho, deitava muito no meu barrigão de grávida. Depois do nascimento da Júlia, a Flô entrou em depressão, e e eu sofri muito por isso.

Cachorros são muito especiais e têm uma empatia enorme com quem eles escolhem como “donos”. Hoje a Flô está na lembrança da Júlia por meio das fotos. E, claro, como toda criança, ela também me pede um animalzinho de estimação. Na real, estou em dúvida se compro ou adoto, mas confesso que gostaria muito de ter uma novamente! Acho sensacional e são as únicas criaturas desse mundo que recebem a gente na porta de casa todo dia como se fosse a primeira vez. Amo!

No fim de semana, está liberado brindar!

Se você se preocupa com o índice glicêmico dos alimentos, já deve saber que os sucos têm IG mais alto do que as frutas. Isso tudo por que a quantidade de fibras presentes na fruta in natura é bem maior.

Quando o assunto é bebida alcoólica (olha o fim de semana chegando aí!), então, nem se fala! A gente sabe que o álcool é calórico e tem carbo em sua composição. E como é metabolizado primeiro, a tendência do nosso corpo é armazenar os outros nutrientes sob a forma de gordura.

Isso não significa, que a gente nunca possa tomar aquele suco refrescante nesse calor ou relaxar e comemorar tomando um drink que amamos. Exceções fazem parte da vida e o que valem todo foco valer a pena. Se for com equilíbrio, então, melhor ainda!

Agora se você está em um processo de mudanças de hábitos e quer evitar aquela culpa chata na consciência, existem opções com menos carboidratos e índice glicêmico mais baixo. No caso dos sucos, por exemplo, o campeão é o limão. O suco de maracujá, caju, amora e morango também estão liberados. Sabe o que é ótimo? Congelar a fruta e passá-la por um processador. Vira um sorvete delicioso! Eu adoro.

Para as bebidas alcoólicas, eu sempre dou preferência ao vinho seco. Às vezes, tomo uma cervejinha. Confesso!

Lembre-se, entretanto, que o álcool deve ser consumido com moderação.

Ler é fundamental

Seja no kindle, tablet, note, celular ou nos charmosos livros de papel, a leitura é fundamental em nossa vida. Muito mais que um hábito pra lá de prazeroso, com ela nos tornamos pessoas muito melhores.

Isso tudo porque ler traz benefícios em diversas esferas de nossa vida. Aprendemos a nos expressar melhor. Para quem fala em público, ela ajuda a desenvolver a oratória. Além, é claro, de melhorar nosso repertório de palavras. Digo isso por experiência própria.

Ler também nos deixa mais inspiradas. Os livros nos libertam de padrões, ideias pré-concebidas, abrindo nossa cabeça para um mundo novo.

A leitura nos tira da zona de conforto. Principalmente quando o livro aborda um assunto ou perspectiva diferente daqueles que estamos habituados. Eles nos fazem refletir, oferecem novas ideias, que nos despertam para novos pontos de vista.

O resultado disso é um autodesenvolvimento contínuo e maior qualidade nos relacionamentos interpessoais.

Se você está precisando de algumas dicas, compartilho abaixo uma listinha com alguns livros que li nos últimos meses e têm me inspirado bastante.

  • Empreendendo felicidade (Pedro Salomão)
  • Osho, o livro das mulheres
  • Osho, vivendo perigosamente
  • O poder do agora (Eckhart Toll)
  • Autorresponsabilidade (Paulo Vieira)
  • Autoestima do seu filho ( Dorothy Corkille)

VPP Entrevista: Julyana Mendes, do Mãe de Sete

A Julyana Mendes, do Mãe de Sete, foi convidada especial da primeira edição do #VPP Apresenta. Aproveitei para entrevistá-la no Vida Pós Parto na CDL FM 102.9. O bate-papo foi ao ar hoje. E a entrevista está disponível na íntegra para quem perdeu ou quer conferir de novo.

A Julyana Mendes é de Brasília, palestrante, influenciadora digital e mãe de sete filhos!

Letícia Melo: O que te motivou a criar o projeto Mãe de Sete?

Julyana Mendes: O Mãe de Sete nasceu quando a Bia, minha sétima filha, tinha seis meses. O projeto nasceu dessa oportunidade de trocar experiência e aprender. Eu pensei que eu poderia aprender muito com elas também. É um projeto que nasceu com essa missão de aprender e de compartilhar muito da minha experiência também.

Letícia Melo: Nas suas redes sociais, você falou recentemente sobre desnudar-se. Sobre falar na real para os seus filhos o que te incomoda profundamente. Como é o diálogo em casa com sete filhos e sete idades completamente diferentes?

Julyana Mendes: Eu acho que essa coisa da idade diferente é minha maior demanda. É a minha maior dificuldade! Mas desnudar-se que eu falei é a o auto-conhecer. É você precisar passar para os seus filhos que você não é perfeita, que você falha e erra. Que você conhece seus limites. Então se você passa isso pra eles… Você passa isso de acordo com a idade de cada um, com a demanda da vida de cada um. Mas é sempre dizer: “Olha, isso aqui eu não consigo fazer. Isso aqui eu errei, eu exagerei”. Isso que é muito importante: não passe a perfeição, porque eles não serão assim. Isso frustra, né?

Letícia Melo: Aproveitando que estamos no mês de março, mês da mulher, qual recado você deixa para nós, mulheres? Porque antes de sermos mamães, somos mulheres!

Julyana Mendes: Exatamente! Começa por aí, né? A família começa pelo marido e pela esposa. Não com o pai e mãe necessariamente. Eu falo que sou o exemplo para minhas quatro filhas não como mãe, mas como mulher. Eu quero que elas me olhem dessa maneira: de uma mulher que se cuida, que se ama, que tem seu tempo, que estuda, que tem amigas. A gente não é só mãe e não podemos esquecer esse lado. Até por que, quando eu casei com meu marido, eu casei com seis filhos. Eu já tinha seis filhos! Quando ele me olhou, ele não viu uma mãe, ele viu a mulher que está carregando tudo isso. Fortaleça a sua mulher, que ela te carrega no colo quando a mãe precisa.

Clima x Humor?

Humor e ânimo, para mim, estão totalmente relacionados a cor do céu.

Em dias ensolarados, fico mais feliz e com disposição nas alturas . Até aproveito para treinar na rua. Nos dias nublados, a situação se inverte. O ânimo acaba dando lugar à uma certa angústia. Acho que o cinza do céu acaba me deixando mais introspectiva.

Pesquisando um pouco mais sobre o assunto, descobri que o clima influencia no nosso humor. Em dias mais iluminados e longos, existe algo no ar que nos convida a interagir com o mundo. Naturalmente, ficamos mais bem humorados e dispostos a curtir o dia. É que o sol ajuda a produzir serotonina, despertando o nosso cérebro para experiências mais animadas. Ele também favorece o sono que é fundamental para começar o dia seguinte com alto-astral.

Nos dias cinza acontece o oposto. Quem não vive uma fase muito boa da vida sente demais a ausência do sol. A baixa luminosidade acaba desencadeando o mau humor. O segredo nessas horas é aprender a conviver consigo mesmo e aproveitar esses dias para refletir sobre a vida.

A atividade física também é fantástica para espantar o desânimo. Umas gotinhas de suor dão aquela endorfinada gostosa, levando o desânimo para bem longe! Quando feita ao ar livre, então, melhor ainda!

  • Site desenvolvido por Agência Vetta