instagramcustom

VPP Entrevista: Clarissa Yakiara

Fevereiro 23, 2018

O Vida Pós Parto na CDL FM 102.9 conversa na próxima terça, dia 27 de fevereiro, com a Clarissa Yakiara, psicóloga e idealizadora da Bee Family.

VPP: Conta para os nossos ouvintes o que é a Bee Family.

Clarissa: A Bee Family é uma “escola” para pais e mães de crianças de 0 a 7 anos, que desejam se tornar um exemplo digno de ser imitado por seus filhos! Um espaço acolhedor para aqueles pais e mães que sentem que educar um ser só é possível a partir de um processo honesto e profundo de autoeducação.

VPP: Quais os maiores dilemas das mães em relação à criação dos filhos, que hoje é o que mais se discute no grupo, e como você abraça esse tema?

Clarissa: Os dilemas são bem variados e envolvem a maioria dos desafios que nós pais e mães de crianças pequenas vivenciamos hoje em dia! Desde como dar limites e organizar a rotina com as crianças, questões de alimentação, sono, escolha e adaptação na escola, a questões pessoais, tais como mudanças na vida conjugal, profissional e familiar depois da chegada dos filhos, sobrecarga que sentimos, a busca do equilíbrio, rede de apoio… Enfim, abordamos os mais diversos temas que fazem do universo materno, paterno e familiar!

VPP: Assisti uma palestra sua onde você fala de como trabalhar em casa com as crianças e achei interessante quando mencionou que eles precisam de entender que o que fazemos tem início, meio e fim. Conta pra gente mais sobre essa dica para as mamães e papais que trabalham home office por exemplo. Realidade que é cada vez mais comum.

Clarissa: Na verdade, o que disse é que é importante que as crianças consigam perceber os processos completos no dia-a-dia familiar, em especial quando estes pais trabalham em casa. Ela precisa ver que as atividades que fazemos em nosso dia-a-dia tem início meio e fim. Por exemplo, se vou fazer uma sopa, eu primeiro separo os alimentos, depois descasco, lavo, pico, cozinho para somente depois servir esta comida para a família. Neste caso, a criança pode visualizar todas as etapas do processo – dependendo de sua idade pode até apoiar – diferente de quando o adulto está sentado na frente do computador e a criança não percebe o processo das atividades que estão acontecendo ali. Acompanhar este FAZER que tem início, meio e fim dos adultos, inspira um brincar mais concentrado e criativo da criança, permitindo que o adulto possa ter mais tempo livre para trabalhar e se concentrar em suas atividades.

VPP: Uma das maiores dificuldades que eu ouço as mamães discutirem hoje na educação dos filhos é colocar limite e ser mais ouvida pelos filhos. Qual dica você daria pra gente?

Clarissa: Quando falo de limites as duas palavras que me vem em mente são disposição e conexão. Quanto mais disponíveis estivermos para observarmos nossos filhos e conectados para nutri-los emocionalmente, sinto que saberemos exatamente como conduzir e guiar as crianças em cada situação, ou seja, apresentar os limites e as fronteiras que cada pai e mãe vai escolher para sua família!

VPP: Você gravou um vídeo sobre como educar o filho em 4 passos. Pode falar um pouco dos 4 passos pra gente?

Clarissa: O primeiro passo é observar a criança, principalmente as questões e comportamentos que nos incomodam. A partir daí, vou para o segundo passo que é a auto observação, ou seja, vou observar a mim mesmo(a) afim de buscar a correspondência do que estou percebendo em meu filho dentro de mim. Assim que começo a encontrar essas questões em mim vou começar um processo de redesenho do meu comportamento (3º passo) e logo buscar maneiras criativas para conduzir meu filho neste processo de mudança também (4º passo). Parece simples, mas é um processo que requer muita coragem, humildade e vontade de se tornar mesmo um exemplo digno de ser imitado pelos pequenos.

VPP: Como foi pra você mudar de país e adaptar a família em uma outra cultura? Por que você fez essa escolha?

Clarissa: Era algo que estávamos planejando há mais de 2 anos. Já conhecáamos bem a cidade e éramos apaixonados por Pucon. Tínhamos alguns amigos que já viviam lá, o que facilitou bem o processo! Estávamos em busca de uma vida mais tranquila, numa cidade pequena e que tivesse uma escola orientada pela Pedagogia Waldorf. O mais difícil foi adaptar ao clima. Pucon é uma cidade que tem as estações bem definidas e marcadas: no inverno faz muito frio. Além disso, lá chove em média de 7 a 9 meses por ano. Esse está sendo o maior desafio.

Pra quem quiser saber mais, aproveite a estadia da Clarissa no Brasil. Ela será uma das palestrantes no evento do Mom is Cool e Na pracinha, dia 28 de fevereiro, próxima quarta. Saiba mais em: acesse bit.ly/entrenos1

Leave a Reply

  • Site desenvolvido por Agência Vetta